Conselho de Ministros, 13 julho 2017
 
2017-07-13 às 15:32

GOVERNO CANDIDATA PORTO A SEDE DA AGÊNCIA EUROPEIA DO MEDICAMENTO

O Governo decidiu candidatar a cidade do Porto para acolher a sede da Agência Europeia do Medicamento, refere o comunicado do Conselho de Ministros após a reunião de 13 de julho.

A nota refere que «ponderada toda a informação recolhida pela Comissão de Candidatura Nacional para a instalação da Agência Europeia do Medicamento, e em conformidade com os procedimentos de relocalização endossados pelo Conselho Europeu de 22 e 23 de julho, deliberou-se que o Porto é a cidade portuguesa que apresenta melhores condições para acolher a sede».

Na conferência de imprensa após a reunião, o Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, afirmou que a candidatura do Porto é «muito forte e competitiva em termos europeus».

O Ministro acrescentou que o Porto «tem todas as condições para, conjugadamente com as instalações logísticas que propicia, assegurar aquele que seria um dos aspetos mais determinantes para o sucesso da deslocalização: a continuidade da atividade da agência, através de um edifício que esteja em condições de, rapidamente, com pequeno esforço de adaptação, acolher os cerca de 900 funcionários que serão deslocalizados».

Dinâmica do Porto

Adalberto Campos Fernandes destacou ainda a dinâmica do Porto, «não só do tecido empresarial ao nível económico mas também na aposta nas ciências de saúde, nos polos de investigação e no desenvolvimento».

O Ministro acrescentou que o Porto também justifica a aposta «pela nova centralidade que representa num eixo importante, não apenas em Portugal mas também na Península Ibérica».

«Em síntese, Portugal tem hoje uma candidatura nacional, unida, e que a partir de agora vai manter a atenção empenhada não só do Governo mas de todos os portugueses que estão envolvidos nesta luta difícil para que a Agência Europeia do Medicamento seja instalada em Portugal», disse.

Valorização do território

O Ministro da Saúde disse também que «o País precisa de se organizar num novo modelo de relação com o próprio território, com a sua capacidade de desenvolvimento» e que este é «um sinal importante para dizer que as competências, que hoje estão disseminadas a norte, centro e sul do País, têm de ser potenciadas».

Em relação à candidatura, Adalberto Campos Fernandes referiu que agora «importa sinalizar o capital humano, as competências técnicas, científicas, industriais, a própria dinamização económica e o que tem sido o desenvolvimento extraordinário do Porto nos últimos anos».

 

Foto: Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, Lisboa, 13 julho 2017

Tags: medicamentos, saúde, união europeia