Oceanos, 8 setembro 2017
 
2017-09-08 às 11:41

«DEPENDEMOS DOS OCEANOS PARA A NOSSA SAÚDE E BEM-ESTAR»

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou que a preservação dos oceanos obriga os países a pensarem além das áreas de soberania e jurisdição. E lembrou que «dependemos dos oceanos para a nossa saúde e bem-estar». Estas declarações foram feitas no «Oceans Meeting 2017», que decorre nos dias 7 e 8 de setembro, em Lisboa.

«Temos de ter a coragem de ir mais além do que limpar o nosso quintal», acrescentou a Ministra, num apelo para que as 70 delegações presentes neste fórum se empenhem em concretizar os compromissos internacionais que os seus países assumiram.

Ana Paula Vitorino referiu ainda a necessidade de se constituírem sociedades «azuis», que aproveitem os recursos oceânicos sem os destruir, seja pela exploração excessiva, seja através da poluição.

«Portugal sabe bem isto, por 97% do seu território ser espaço marítimo», disse também a Ministra, ressalvando que «só o diálogo com as populações e tendo em atenção os Estados, regiões ultraperiféricos e ilhas se pode garantir a sustentabilidade dos oceanos».

Da declaração conjunta dos vários participantes constam compromissos de partilha de conhecimento e inovação tecnológica, em que o papel dos mares como fonte de nova esperança para o tratamento de doenças é também destacado.

O «Oceans Meeting 2017» conta com a presença de delegações de mais de 50 países, incluindo 38 Ministros e Secretários de Estado desta área.

Tendo por lema a interligação entre saúde dos oceanos e a saúde humana, o encontro inclui uma reunião ministerial, uma conferência internacional com investigadores, e diversas sessões de contacto empresarial sobre inovação e sustentabilidade deste recurso natural.

Com esta iniciativa, o Governo quer mobilizar a comunidade internacional para a necessidade da preservação dos oceanos.

 

Foto: Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, no «Oceans Meeting 2017», Lisboa, 8 setembro 2017 (Foto: Miguel A. Lopes/Lusa)

Tags: mar, recursos naturais, sustentabilidade